40 aprendizados de vida em 40 dias de isolamento

40 aprendizados de vida em 40 dias de isolamento

Em 2016 eu estava sedenta por um grande desafio, para testar a mim mesma, para ser exposta ao desconhecido, por crescimento. Só que eu não sabia disso até encontrar o Charles.

Foi em Outubro, em um de seus workshops sobre criatividade e solução de problemas, que o escutei falando à algumas pessoas sobre o intensivo que ele realiza uma vez por ano – e o quão duro e difícil era de se chegar ao final dele.

As minhas antenas arianas de challenge accepted acenderam. Eu fui até ele, fiz algumas perguntas. Estava decidido. Em dois meses, eu estaria na próxima turma. Ele tentou me convencer a não fazer – o curso já começa no processo de seleção – o quanto você quer isso de verdade?

Sobre o que era o curso? Eu não sabia dizer ao certo. Entendi que envolvia arte, desenho e que eu ia sair de lá uma pessoa completamente diferente. Esse último ponto já era suficiente para a embasar a minha decisão.

Ouvi que iria mudar a forma como eu via o trabalho, e por consequência os resultados que eu produzia – eu não tinha ideia do que eu estava fazendo. E ainda bem.

Assim como as ondas no mar que, quando vistas de fora, parecem mais fáceis do que quando se está lá dentro, foi o curso.

Aparentemente quando eu ouvi 40 dias de imersão em uma casa, com trabalho prático de 12 a 15h por dia, com um dia de descanso na semana, eu pensei que seria incômodo, mas não tinha ideia de que esse incômodo viraria dor. E depois libertação.

No último dia do intensivo, em fevereiro de 2017, escrevi essa lista de aprendizados, ainda frescos na minha mente, na esperança de que se algum dia eu me distraísse, esse caderno me traria a energia, o foco e a disciplina com os quais eu saí de lá.

Três anos depois eu encontrei essa lista por acaso. E descobri que a nossa mente funciona como os músculos e a sua memória muscular – lembra rapidamente, ao menor estímulo, de uma tarefa específica que antes fora praticada em repetição intensa.

Ler essa lista foi o estímulo suficiente para me reconectar com o meu caminho. Porque esses aprendizados não foram ensinados, eles foram vividos, em cada dor no corpo – das horas trabalhadas em pé -, em cada choro de frustração – da mente por não entender o que era “bom o suficiente”-, e em cada pulsar da alma a cada ínfima desconstrução desse eu que me limitava.

Por isso que o curso é tão difícil (psicologicamente). Assim como a vida, o único jeito de aprender (de verdade) é fazendo.

40 Aprendizados para a vida

  1. Tudo bem fazer merda.
  2. Você aprende com as merdas que faz.
  3. Fazer merda é necessário para fazer algo bom.
  4. Não seja duro consigo mesmo.
  5. Avalie tudo que fizer.
  6. O conhecimento pode ser um limitante, gerenci-o bem.
  7. O limite está em mim e não no mundo.
  8. Isso é bom, porque eu tenho poder sobre mim e não tenho poder sobre o mundo.
  9. As coisas grandes são iguais as pequenas. Só são mais trabalhosas e não mais difíceis.
  10. Aprenda com as atitudes dos outros, e reflita sobre isso.
  11. O meu maior inimigo é a minha mente, não dê atenção à ela.
  12. Uma forma de burlar a mente é manter-se presente no que está sendo feito e fazê-lo concentrado da melhor formar possível.
  13. A atividade em seu próprio fim é muito mais prazerosa do que o resultado final. Procure se relacionar com atividades assim.
  14. Nem todo mundo vai gostar do que você faz e tudo bem, contanto que você goste, mas para isso você precisa refletir para saber do que gostou.
  15. Perguntar é bom, continue perguntando.
  16. Quando eu mais quero fugir, é quando eu mais preciso ficar.
  17. Liberte-se da busca por aprovação social ou você vai acabar pulando a deriva no mar. (metáfora)
  18. Lembre-se sempre do item anterior (17), mesmo que não consiga colocá-lo em prática imediatamente.
  19. Fique perto do assunto que você está trabalhando. Não crie outros problemas por não saber resolver um.
  20. Abrace os desafios e decida crescer em cima deles.
  21. Seja responsável pelas suas escolhas e decisões.
  22. Tudo é uma escolha, mesmo quando achamos que não temos escolha.
  23. Às vezes fazemos coisas que nem sabemos que fazemos e jurariamos de pés juntos que não as fizemos. Procure ficar consciente das suas atitudes.
  24. Descubra as mentiras que você conta para si mesmo.
  25. Eu posso me adaptar facilmente a qualquer contexto: resiliência.
  26. Cuidado para o item anterior(26) não cair na zona de conforto.
  27. A solução do passado pode não servir como solução para o futuro.
  28. Honre as pessoas mais vividas, elas sabem na pele coisas que você nem imaginaria.
  29. Divergir só é bom quando estou consciente da necessidade de verticalizar a ideia em algum momento.
  30. Gere muitas ideias para ter uma boa ideia. 50 para um é um bom começo.
  31. Adquira conhecimento tácito – adquirido pela experiência.
  32. Para adquirir conhecimento tático é preciso fazer merda.
  33. Limites são meus amigos, faça amizade com eles.
  34. Se eu pensar muito sobre algo é provável que eu desista.
  35. Negocie consigo mesma, sempre.
  36. Aceite a situação e ela abrirá espaço para que você a mude.
  37. O resultado é diretamente proporcional a minha atitude.
  38. Roube ideias e melhore-as.
  39. Conhecimento inútil é bom, virá o momento de usá-lo.
  40. Tenha rigor com o que você faz.

Gostou do artigo? Compartilha comigo a sua opinião sobre o assunto!

Me segue no instagram para acompanhar textos e reflexões em tempo real sobre viver uma vida de aventura, storytelling para marcas e como histórias conectam pessoas.

0 comments on “40 aprendizados de vida em 40 dias de isolamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *